• Marcelo Freixo nunca defendeu qualquer ato criminoso e fora da lei. Mas acreditamos que o assaltante ou infrator não deve ser torturado, amarrado em um poste e nem executado. Todas essas ações não estão previstas na nossa Constituição. Ou seja, defendemos que a lei seja cumprida. Defender isso não é “defender bandido”, é defender a legislação brasileira. É defender que haja justiça e não vingança. Existe a lei e Estado para não existir a barbárie.

  • É falso o tweet atribuído a Freixo sobre a ação da policial militar que baleou um assaltante em frente a uma escola em Suzano, em São Paulo, no dia 12 de maio de 2018. Freixo jamais se solidarizou com o assaltante nem pediu a punição da Policial Militar. Lamentamos que notícias falsas, difamatórias e criminosas sejam instrumentos de luta política. Não é disso que a nossa democracia, que sofre a maior crise desde a redemocratização, precisa.

  • Nós defendemos a modernização da Polícia Militar através da sua transformação numa instituição civil. Atualmente, ele é uma força auxiliar do Exército e organizada à sua semelhança. A desmilitarização nada tem a ver com desarmar a polícia: tem a ver com reformar sua estrutura, garantindo mais direitos aos policiais, treinamento digno e melhores condições de trabalho. Além disso, a sua hierarquia, para que não exista tantas desigualdades entre oficiais e praças.

     

    Muitos policiais também defendem a desmilitarização da PM. Até mesmo o ex-Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, já se posicionou a favor da mudança. Já existe um projeto de desmilitarização tramitando no Congresso através da PEC 51/2013. No vídeo abaixo, o Coronel Íbis Silva Pereira, ex-chefe de gabinete do comando geral da PM, fala sobre a necessidade de mudanças na corporação:

  • Todos os seguranças de Freixo estão em situação legal e foram cedidos oficialmente pelo governo do estado devido às graves ameaças de morte que o deputado recebeu por presidir a CPI das Milícias, em 2008, que resultou do indiciamento de mais de 200 pessoas e na prisão dos chefes dos grupos milicianos.

     

    As nomeações dos seguranças para a equipe ocorre de duas maneiras. Na primeira forma, eles podem ser nomeados diretamente para o gabinete de Freixo. Neste caso, os servidores deixam de ser ligados ao Poder Executivo e passam a ser vinculados à Assembleia Legislativa.

     

    Na segunda forma, eles são cedidos por algum órgão do Poder Executivo, como Polícia Militar ou Polícia Civil, sem perder o vínculo com a instituição de origem. Essa liberação só é realizada após a autorização formal do governo do estado. Desta forma, não existem seguranças clandestinos na equipe de Freixo.

     

  • Essa informação é mentirosa. Por questões de segurança, não é possível divulgar informações sobre o esquema de segurança de uma pessoa ameaçada de morte. Existe uma equipe formada por profissionais da segurança pública que se divide e trabalha em regime de revezamento, como os demais servidores da segurança.

     

    Existe um protocolo de segurança que precisa ser seguido em casos de ameaça, como ocorre com Freixo. A divulgação de informações sobre seu esquema de segurança põe em risco a sua vida.

     

    Veja a explicação do ex-comandante da Polícia Militar coronel Ibis Pereira sobre o caso:

  • A ONG Instituto de Defensores de Direitos Humanos (DDH) não é ligada a Marcelo Freixo e também não ficou com o dinheiro arrecadado para dar uma casa à família do pedreiro Amarildo de Souza, que desapareceu após entrar na UPP da Rocinha em 14 de julho de 2013.

     

    A campanha "Somos Todos Amarildo", organizada no ano do assassinato do pedreiro, por artistas, juristas e pesquisadores da área de segurança pública, arrecadou R$ 359.341,77 através de leilão realizado pela produtora Paula Lavigne e show de Caetano Veloso e Marisa Monte no Circo Voador. Deste total, R$ 186.213,48 foram doados para a família.

     

    O restante do dinheiro foi destinado a entidades que atuam na defesa dos Direitos Humanos: Grupo Tortura Nunca Mais, Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência, Associação de Mídia Comunitária da Rocinha (TV Tagarela), Projeto Via Sacra e Associação Cristã de Ação e Desenvolvimento do Rio de Janeiro.

  • Não compactuamos com nenhuma forma de violência, seja do Estado ou da sociedade. As manifestações nas ruas são legítimas e fundamentais para a democracia, mas não apoiamos nenhum ato violento ou que ponha em risco a integridade de qualquer pessoa.


    Lamentamos o caso que houve com o cinegrafista Santiago Andrade nas manifestações de 2014. Freixo o conhecia e tinha um grande carinho por ele. É com enorme afeto e honra que recebemos o apoio da sua família. Veja o depoimento de Arlita e João, viúva e enteado de Santiago:

  • Cuidado com o que você vê na internet. A conta @MarceloFrexo é falsa. O correto é @MarceloFreixo, com a letra "i"!

     

    Para diferenciar basta checar o selo azul ao lado!

     

    A imagem à esquerda é uma montagem caluniosa. Nem Freixo nem sua equipe escreveram isso. Espalhar mentiras e difamações é crime e faz parte da velha política, que nós somos contra. Queremos transparência, ética e participação.

  • Freixo nunca foi para a Venezuela apoiar o Maduro. Esse assunto precisa ser explicado com clareza e sinceridade. Não existe um posicionamento atual do PSOL sobre o governo Nicolás Maduro na Venezuela. Muito menos de Marcelo Freixo. O que ocorre é o seguinte: em 2013, quando Maduro era apenas candidato a presidente, o PSOL escreveu um texto defendendo sua candidatura. O partido entendia que era a melhor opção eleitoral naquele momento. Naquela época, o PSOL divulgou esse texto. Marcelo Freixo não participou da elaboração nem da discussão desse texto.

     

    Atualmente, diante da grave crise econômica e política da Venezuela, não há consenso no PSOL quanto ao governo Maduro. A maioria das forças internas do partido têm muitas críticas. Marcelo Freixo não acompanha esse debate, e nunca participou da elaboração de textos e posicionamentos sobre esse caso.

     

  • Freixo recebeu graves ameaças de morte por ter presidido a CPI das Milícias em 2008, que resultou no indiciamento de mais de 200 pessoas e na prisão dos chefes dos grupos milicianos, entre eles deputados e vereadores. Por isso, o uso de carro blindado é essencial todos os dias, inclusive aos fins de semana. Afinal, Freixo não corre risco de morte somente nos horários de expediente.

     

    Freixo já recebeu dezenas de ameaças, a maior parte delas identificadas pelo setor de inteligência da Secretaria de Segurança. Numa delas, milicianos oferecem R$ 400 mil pelo assassinato do deputado. Após a execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) as preocupações com segurança se tornaram ainda mais urgentes.

  • A ONG Afroreggae é conhecida por prestar assistência a ex-detentos para que eles recebam oportunidade de trabalho e não retornem ao mundo do crime. Ao lado de José Júnior, presidente da ONG, Freixo participou de evento realizado pelo Afroreggae para comemorar o primeiro emprego de ex-traficantes, que já haviam cumprido suas penas. Ou seja, pela primeira vez eles tiveram suas carteiras de trabalho assinadas. Durante a solenidade, Freixo e José Júnior tirou uma foto ao lado dos beneficiados. Essa foto, que registrou um momento tão especial e simboliza o recomeço para essas pessoas, foi retirada de contexto e publicada nas redes sociais de maneira sórdida.

     

    Só teremos um país com menos violência e mais oportunidades, empregos, educação e cultura se pudermos reinserir e dar oportunidade vida digna às pessoas que já se envolveram em crimes e pagaram suas dívidas.

  • A ex-companheira de Freixo Renata Stuart é jornalista e trabalha como assessora de comunicação no gabinete do vereador Renato Cinco, na Câmara Municipal. Segundo a legislação, para haver nepotismo, Renata teria que trabalhar, à época em que eram casados, no gabinete do próprio Freixo, o que não ocorreu. Também não existe nepotismo cruzado, porque não há parentes de Renato Cinco trabalhando com Freixo. Ou seja, não há qualquer ilegalidade. .

     

  • Marcelo Freixo está no terceiro mandato como deputado estadual. Não cabe a um deputado estadual decidir sobre a legislação referente ao aborto, que uma questão federal. Mesmo assim, falar sobre aborto não pode ser tabu. Este tema é delicado, mas precisa ser tratado como questão de Saúde Pública. A cada dois dias, uma mulher morre no Brasil vítima de aborto clandestino. Por ano, 1 milhão de mulheres se submete a esse procedimento no país. A proibição legal não impede essas mulheres de interromper suas gestações. Pelo contrário, a proibição leva à realização de procedimentos perigosos e complicações de saúde fatais.

  • Marcelo Freixo está no terceiro mandato como deputado estadual. Não cabe a um deputado estadual decidir sobre a legislação referente ao aborto, que uma questão federal. Esta decisão cabe ao Congresso Nacional. No entanto, acreditamos que precisamos nos posicionar. Nós somos a favor da legalização da maconha porque a criminalização das drogas se mostrou ineficaz em diversos lugares do mundo, ela gerou uma guerra dentro da cidade, em especial nas favelas, em que morrem moradores e policiais. E isso não quer dizer que somos a favor do uso da maconha ou de qualquer outra droga.

  • Está circulando por aí que supostos primo e sobrinho de Marcelo Freixo foram presos. Ambas as informações são falsas. Sobre o suposto sobrinho – cujo a foto que circula é de um jovem dentro de uma viatura policial - trata-se de um boato. Freixo não o conhece e não sabe se existe um grau de parentesco. Em relação ao suposto primo, chamado Gustavo Freixo, seus próprios advogados já afirmaram que “Gustavo não possui qualquer vínculo, seja qual for a natureza (econômica, familiar, pessoal, política, profissional etc), com o Marcelo Freixo. Portanto, a tentativa de vinculação, especialmente em grau de parentesco, é falsa e mentirosa, merecendo todo o tipo de censura.”

  • Não queremos que escolas sejam orientadas por qualquer visão partidária, seja de esquerda ou de direita. Queremos escolas democráticas e comprometidas com a cidadania, em que a pluralidade de ideias seja valorizada. Não é isso o que querem os defensores do projeto “Escola Sem Partido”, cujo objetivo é justamente censurar e impedir a diversidade e os bons debates no ambiente escolar.

    A reflexão e o debate são pedagógicos e fundamentais para formar cidadãos conscientes e autônomos. Isso não é uma prerrogativa da esquerda nem da direita. A educação vive uma grande crise e a solução dos conservador é tornar as escolas robóticas, desumanizadas. A gente não quer uma escola com partido, mas a gente quer uma escola com ideias, opiniões e visões de mundo plurais e capazes de transformar, sabendo dialogar entre as diferenças.

  • Marcelo Freixo repudiou a queima da bandeira de Israel e nunca apoiou este ato. Inclusive, Freixo teve apoio da comunidade judaica durante sua campanha à prefeitura em 2012.

     

    Não é a primeira vez que surge esse boato. A Veja, de forma irresponsável, circulou um vídeo com uma compilação de imagens em dois momentos diferentes, tentando incriminar Marcelo Freixo.

    Durante a campanha em 2012, esse vídeo veio à tona e Freixo fez questão de discordar publicamente da atitude do vereador que queimou a bandeira, e reafirmou que não participou dos atos. E fez isso diversas vezes, sendo uma delas diante de 200 jovens judeus de esquerda que votaram e foram às ruas apoiá-lo.

  • Não é verdade que queremos definir a sexualidade das crianças nas escolas.

    Não queremos uma educação que doutrine ninguém, pelo contrário, queremos uma escola que respeite a liberdade individual de cada um. Isso quer dizer que nossas meninas e meninos possam ser o que eles quiserem, sem serem discriminados, sofrerem preconceito ou violência. Uma menina pode escolher brincar de carrinho e um menino pode querer vestir rosa, não é mesmo? A escola deve ensinar o respeito à diferentes ideias, pensamentos, orientações e identidades. Isso não é forçar ninguém a ser nada. Isso é respeito a liberdade.

    Não acredite em tudo o que você lê na internet. Chega da velha política que espalha boatos caluniosos e informações distorcidas. Compartilhe a verdade com os amigos, conhecidos e familiares!